Dez hábitos para prevenir a hérnia de disco

Manter o peso e evitar sobrecargas na coluna fazem parte dos cuidados

Por Manuela Pagan - publicado em 07/12/2011


A dor nas costas é chata, incômoda, começa na coluna, mas pode irradiar para as pernas e até mesmo para os braços. Segundo a Associação Médica Brasileira, cerca de 80% das pessoas apresentarão dor lombar em algum momento da vida. A grande maioria consegue perceber a melhora dos sintomas depois que é resolvida a causa ou cessa o processo inflamatório. Mas, aproximadamente 2% acabam desenvolvendo transtornos degenerativos do disco vertebral, como a hérnia de disco.
Para entender melhor o que é esse problema, pense que todo órgão ocupa uma cavidade dentro do nosso corpo. A hérnia ocorre quando um órgão extravasa essa cavidade. No caso das hérnias vertebrais, é o núcleo do disco intervertebral que escapa de dentro do anel que o protege, comprimindo os nervos. "O resultado são sintomas como dores, formigamento e diminuição da sensibilidade dos membros inferiores ou superiores", diz o fisioterapeuta Evaldo Bósio, da clínica de fisioterapia especializada Prime (São Paulo). Abaixo, confira alguns hábitos simples para se proteger de uma hérnia.
 

de 10

Postura - fonte: Getty Images

Mantenha a postura!
Segundo o fisioterapeuta Evaldo Bósio, manter o corpo alinhado é uma forma de prevenir hérnias. Sempre que mantemos uma postura inadequada sobrecarregamos nossa coluna, fazendo com que os discos intervertebrais sofram cargas anormais. É essa pressão a responsável pelo rompimento do disco, que vai ocasionar a hérnia. 

Dor na coluna - Fonte:Getty Images

Atenção aos sintomas
Um dos sintomas mais comuns da hérnia de disco é o formigamento, com ou sem dor, na região da coluna. As dores serão mais comuns nos membros superiores, quando a hérnia for cervical, e nos membros inferiores, se a hérnia for lombar. "Os pacientes com hérnia de disco também podem apresentar diminuição de sensibilidade da região afetada, além de fraqueza muscular nos membros", diz o médico ortopedista da clínica Colunar, de São Paulo, Rodrigo Junqueira Nicolau. Também pode haver alteração da temperatura do membro (que ficará quente ou frio), sensação de cansaço e dificuldade para calçar o sapato (devido à fraqueza dos dedos do pé, principalmente o dedão).
Outro tipo de hérnia é a torácica, muito mais rara. Seu sintoma mais marcante é a dor compressiva na região do toráx, também chamada de dor em faixa.
O fisioterapeuta Evaldo Bósio lembra que sempre que sentir dor, o ideal é procurar ajuda médica para o correto diagnóstico e, em seguida, iniciar o tratamento fisioterapêutico, se a indicação for essa. "A dor é um sinal de que algo está errado em determinada região do corpo ou no organismo como um todo. As dores não podem ser banalizadas ou deixadas de lado, mas sim investigadas e tratadas", diz o especialista.  

Salto - fonte: Getty Images

Não abuse do salto
Segundo o médico ortopedista Rodrigo Junqueira Nicolau, não há nenhum estudo científico que relacione diretamente o uso do salto ao aparecimento de hérnias. Porém, ao calçar um sapato de salto muito alto, há um aumento da curvatura natural da coluna lombar, gerando uma hiperlordose. "Assim, poderá ocorrer maior fadiga da musculatura, além de dores na lombar. E, se houver predisposição, pode ocorrer uma hérnia", aponta Rodrigo.  

Balança - fonte: Getty Images

Fique de olho na balança
O controle do peso, dentro do IMC saudável, pode prevenir que a coluna sofra com as sobrecargas. De acordo com o médico Rodrigo Junqueira Nicolau, os músculos da barriga e das costas são responsáveis por proteger a coluna. Mas quanto maior for o sobrepeso, menor será essa proteção, deixando todo o peso do corpo a cargo da coluna. 

Peso - fonte: Getty Images

Cuidado ao carregar peso
O médico Rodrigo Junqueira explica que uma carga de 20 kg, por exemplo, carregada eventualmente, não provocará danos, necessariamente. Mas se essa carga for carregada por um tempo prolongado ou rotineiramente, como ocorre em algumas profissões, provavelmente machucará o disco intervertebral. Por isso, a recomendação é que ao carregar bolsas e mochila, elas não ultrapassem mais do que 10% do seu peso. 

Cigarro - fonte: Getty Images

Pare de fumar
As substâncias tóxicas presentes no cigarro provocam a diminuição dos vasos que nutrem o disco intervertebral. Assim, o disco vai receber menos nutrientes transportados pelo sangue. "Mal nutridos, os discos se tornam mais suscetíveis a lesões", explica Rodrigo Junqueira. 

Exercício - fonte: Getty Images

Faça exercícios com orientação
Os exercícios físicos dedicados à coluna devem sempre ser orientados por fisioterapeutas ou educadores físicos. Exercícios realizados sem qualquer tipo de orientação podem causar lesões geradas pela associação de posturas erradas, levantamento de pesos e sobrecarga sobre músculos e articulações. "Além disso, a musculatura estabilizadora da coluna é mais profunda e difícil de fortalecer, por isso, é necessário o auxílio de um profissional para conseguir deixar esses músculos fortes", diz o ortopedista Rodrigo Junqueira.
Os exercícios são os principais aliados. È importante estabilizar a musculatura do abdômen e coluna, através de exercícios de fortalecimento e alongamento. Outro ponto que merece atenção refere-se aos músculos na parte de trás das pernas. Eles também precisam de alongamento para proteger a coluna. "Respeitar a curvatura natural da coluna também ajuda a diminuir a sobrecarga nos discos intervertebrais", diz o médico Luciano Miller Reis Rodrigues, ortopedista da clínica Colunar e professor Afiliado da Faculdade de Medicina do ABC. As lordoses (curvaturas normais) podem ser mantidas através de alongamentos, principalmente de membros inferiores. 

Carregar peso - fonte: Getty Images

Evite movimentos repetitivos com sobrecarga
O fisioterapeuta Evaldo enfatiza que, para proteger o disco intervertebral, os movimentos repetitivos de flexão e extensão da coluna com sobrecarga e sobrepeso devem ser evitados. Além desses, os movimentos de rotação de tronco também exigem cuidados. Por isso, tome cuidado ao pegar algo que caiu no chão ao lado da sua cadeira, ação que associa esses dois movimentos. A forma correta de fazer o movimento é levantar da cadeira para depois abaixar, sempre dobrando os dois joelhos e mantendo a coluna reta. 

Ergonomia - fonte: Getty Images

Lance mão da ergonomia
O conjunto de adaptações em um ambiente com o objetivo de evitar lesões e desconforto é chamado de ergonomia. O fisioterapeuta Evaldo orienta que, para atividades profissionais, temos sempre que ter atenção ao posicionamento de cadeiras, bancos, computadores e outros objetos da mobília. Em casa, atenção redobrada ao sofá, camas e cadeiras.
É na posição sentada que ocorre a principal pressão no disco, o que pode facilitar a hérnia. "Colocar um apoio (uma almofada) no encosto da cadeira, na altura da região lombar, utilizar uma cadeira que se adapte ao seu corpo. Levantar a cada meia hora e fazer pequenas sessões de alongamento ao longo do dia, assim como adequar a altura do computador podem melhorar a postura", diz Rodrigo Junqueira Nicolau. 

Cadeia genética - fonte: Getty images

Informe-se sobre a sua genética
De acordo com o médico Luciano Miller Reis Rodrigues, existem pessoas que estão geneticamente mais propensas a desenvolver hérnias de disco. "Nesses casos, o disco não consegue reter água e, com isso, pode se machucar com mais facilidade", explica. Vários genes ajudam na construção do disco intervertebral e, atualmente, está sendo estudada a ação deles na formação desses discos. "No futuro, mapear esses genes, e os marcadores de degeneração, poderá ajudar a prevenir hérnias". 

ver texto completo



Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.
Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

siga o minha vida e melhore sua qualidade de vida

Saiba mais

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."