Lave o nariz todos os dias e aproveite estes sete benefícios

Prática previne doenças respiratórias e melhora até dores de cabeça

Por Letícia Gonçalves - atualizado em 18/06/2013


O hábito traz tantas vantagens à saúde que deveria ser uma regra tão comum quanto escovar os dentes todos os dias. Lavar o nariz com soro fisiológico não só ajuda a limpá-lo de impurezas e secreção como  combate mal-estar e doenças de ouvido ou garganta. O ideal é utilizar o soro comprado pronto na farmácia com a ajuda de um aplicador (parecido com um conta-gotas), mas também é possível fazer uma mistura caseira em casos de emergência: um litro de água que tenha sido fervida com, aproximadamente, uma colher de chá de sal.

Descubra sete benefícios que essa prática traz à sua saúde, apontados pelos otorrinolaringologistas José Antonio Pinto, do Hospital São Camilo, e Rodolfo Scalia, da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF). 

de 7

Mais conforto em dias de tempo seco - Foto: Getty Images

Mais conforto em dias de tempo seco
Quando o ar está seco, as narinas ficam muito ressecadas - ainda mais em ambientes poluídos ou com ar-condicionado. Lavar o nariz ajuda a hidratá-lo e evitar esse ressecamento desagradável de todo o trato respiratório. "A anatomia nasal apresenta um fluxo laminar, onde o ar circula pelos seios da face e é aquecido e umidificado antes de sua chegada aos pulmões", explica o otorrinolaringologista Rodolfo Scalia.  

Asma - Foto: Getty Images

Diminuição de crises de asma, bonquite e outras alergias
José Antonio Pinto conta que o nariz é a porta de entrada do ar carregado de partículas do meio ambiente. "O nariz ajuda a aquecer, umidificar esse ar e reter as partículas irritantes. É o grande filtro", diz.

Rinite, bronquite e asma são respostas alérgicas a antígenos que entram em contato com a mucosa das vias aéreas tanto superiores (nariz) quanto inferiores (traqueia e brônquios), e permanecem em contato com elas durante um tempo, como explica Rodolfo Scalia. "O fato de realizar lavagens sistemáticas do nariz, além de diminuir a sensibilidade dessa mucosa, aumenta o batimento mucociliar, ação que expulsa esses antígenos e evita quadros alérgicos mais intensos", esclarece o profissional.  

Dor de garganta - Foto: Getty Images

Prevenção de amidalite e faringite
Quando o nariz está entupido, respiramos pela boca, que não possui as mesmas armas poderosas de filtro do ar que o nariz apresenta. "O ar entrará frio e cheio de partículas prejudicais à saúde", conta José Antonio, do Hospital São Camilo.

Isso provocará um ressecamento da mucosa oral e pode até aumentar o mau hálito, além de expor o corpo a um quadro maior de infecções e inflamações, como amidalite e faringite. Rodolfo Scalia lembra que, ao lavar o nariz, ele ficará desentupido e livre para funcionar novamente, dispensando a necessidade de respirar pela boca. 

Otite - Foto: Getty Images

Combate à otite
O ouvido se comunica com o nariz através da tuba auditiva, conta Rodolfo Scalia. Se o nariz estiver inflamado ou cheio de secreção - comum em pessoas que possuem rinite -, pode atingir a tuba auditiva e levar o acúmulo de muco, repleto de partículas retidas no ar, até o ouvido. Isso pode provocar infecções e inflamações, como a otite.

"Hidratar a mucosa é estimular os cílios a fazerem a limpeza e dissolverem as secreções com mais facilidade. Com um revestimento mais limpo, evita-se que o catarro fique preso", explica José Antonio. 

Dor de cabeça - Foto: Getty Images

Alívio de mal-estar e dores de cabeça
Nariz entupido pode afetar até o humor de uma pessoa. "Quem não respira bem pelo nariz recorre à respiração pela boca, o que pode ocasionar maior dificuldade para se alimentar e um cansaço maior ao falar", afirma Rodolfo Scalia.

Além disso, o especialista conta que a obstrução nasal pode levar a um aumento da pressão nos seios da face, ocasionando dores de cabeça e desconforto na região dos olhos. Isso prejudica as funções cognitivas e gera estresse

Poluição - Foto: Getty Images

Corpo mais protegido da poluição
Já é comprovado que o ar poluído apresenta desde gases tóxicos até substâncias cancerígenas. Por isso, a recomendação do otorrinolaringologista José Antônio para tentar reduzir os danos da poluição é lavar o nariz pelo menos duas vezes por dia: ao acordar e ao dormir. "Dessa forma, você prepara o nariz para enfrentar toda a poluição e, ao final do dia, irá dormir com ele livre das partículas que reteve durante a respiração. É o que chamo de toalete nasal", afirma.

Assoar o nariz - Foto: Getty Images

Resultados melhores do que apenas assoar o nariz
Primeiro, é preciso saber assoar o nariz direito. José Antonio explica que o correto é assoar sem fazer pressão nas duas narinas de uma vez, para não jogar o catarro para trás em vez de eliminá-lo. Deve-se tampar uma narina, portanto, e assoar com a outra.

Feito desse modo, o ato de assoar o nariz irá deixá-lo mais limpo, mas a vantagem de também lavá-lo com soro é que a solução irá fluidificar as secreções. Isso significa hidratar e facilitar a eliminação de todos os elementos prejudiciais ao nariz e às vias respiratórias.

Mas, lembre-se de que é preciso preferir o soro fisiológico em vez de apenas água, uma vez que ele possui sódio e potássio e está livre de contaminações. Essas substâncias aumentam o batimento mucociliar, que é o processo que elimina os elementos irritantes do ar. "Lavagens nasais com água destilada, por exemplo, paralisam o batimento mucociliar, o que facilita a propagação de processos infecciosos pulmonares", alerta Roberto Scalia.

ver texto completo



Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.
Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

siga o minha vida e melhore sua qualidade de vida

Saiba mais

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."