Escova progressiva: desvendamos as 15 maiores dúvidas

Ela economiza tempo em frente ao espelho, mas não dispensa os cuidados com os fios

Por Roberta Lemgruber - atualizado em 04/11/2013


Pontas duplas, fios ressecados, cabelos volumosos, sem forma ou indisciplinados, o fato é que não existe mulher que não esteja insatisfeita com a aparência das madeixas. E entre os motivos das idas aos salões de beleza está um dos procedimentos mais pedidos aos cabeleireiros nos últimos tempos e o mais controverso dos alisamentos: a escova progressiva. O resultado são fios lisinhos e sem a desvantagem de ter que passar horas na sessão estica e puxa da escova e da chapinha. O problema é que para conquistar os tão almejados cabelos lisos, as mulheres se submetem a este tratamento químico sem antes analisar com cuidado todos os prós e contras da transformação. 

cabelo com chapinha

São diversas as opções de escova progressiva. Tem a de morango, chocolate, mel, marroquina, de leite, de frutas e dúvidas a respeito da real diferença entre elas e como escolher a mais adequada também não faltam. Além disso, o principal elemento químico da maioria das progressivas - o ácido fórmico ou formol - é fiscalizado pela Agência de Vigilância Sanitária, a Anvisa. Em excesso nas fórmulas, eles provocam desde queda de cabelo, intoxicação e até queimaduras no couro cabeludo. Por isso, é necessário cautela para escolher o melhor tipo de progressiva para o cabelo. A seguir, o hairstylist Gennaro Preite, consultor de beleza da marca de escovas Condor, esclarece essa e outras dúvidas sobre a progressiva. Confira: 

1- A escova progressiva economiza mesmo tempo em frente ao espelho?
O principal objetivo do tratamento é alisar os fios e reduzir o volume. Além disso, ela oferece uma praticidade mais duradoura do que outros tratamentos com a mesma finalidade. O método chega a durar até quatro meses nos fios. Depois desse tempo, o cabelo já cresceu o suficiente para o volume da raiz começar a incomodar novamente. Ao realizarem a progressiva, as mulheres, que antes gastavam muito tempo arrumando o cabelo, só precisam de alguns minutos para finalização. Um pouco de ar quente do secador já ajuda a moldar o cabelo pós-progressiva.

2- O procedimento é indicado para qualquer tipo de cabelo?
Não. Ela é indicada para cabelos crespos e volumosos, mas é desaconselhável para cabelos afro, que tem fios porosos. O que costuma acontecer é que, geralmente, o cabelo crespo (bem espiral) tem um número menor de cutículas (escamas) e o produto acaba fixando menos. Quando o procedimento de selagem é feito nesse cabelo afro, os fios ficam mais grossos. Além disso, o procedimento é vetado para as crianças. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) proíbe a aplicação de produtos químicos em crianças. Mas, mesmo assim, alguns profissionais aceitam fazer progressiva em crianças, apesar de saberem o risco do procedimento e as mudanças pelas quais a estrutura capilar de uma criança passa. 

3- Cabelos danificados podem fazer progressiva?
O mais importante é fazer uma análise dos fios com um profissional especializado. Se os fios estiverem fragilizados e quebradiços, é importante recuperá-los antes de agredi-los novamente com mais química. O procedimento mais aconselhável é a hidratação. Nesse caso, as cauterizações devem ser evitadas, pois geralmente elas têm um creme reestruturador muito forte que acaba deixando o fio selado e brilhante, mas não hidratado.

4- As mulheres que já têm algum tipo de química no cabelo podem fazer a progressiva?
Depende. Nos cabelos tingidos ou com mechas, pode-se fazer a progressiva. Dependendo do caso a tintura e a progressiva podem ser realizadas no mesmo dia, mas tem que ter o aval de um profissional qualificado. Além disso, os cabelos que passaram por um procedimento recente de relaxamento, devem esperar uma semana, no mínimo, até o cabelo estar preparado para um novo procedimento capilar.

5- Cabelos sem química não se beneficiam tanto quanto os tingidos da progressiva?

É verdade. O cabelo "virgem" não tem um bom resultado com a progressiva. Geralmente, os cabelos sem química têm fibras de queratina em perfeito estado, sem fissuras ou aberturas. Então, o produto da progressiva tem uma maior dificuldade de penetrar no fio e fazer efeito.Para atingir o resultado esperado, alguns profissionais realizam algum procedimento químico, como uma tintura ou um relaxamento, antes de fazer a escova progressiva.  

cabelo loiro liso

6- A (Anvisa) recebe várias denúncias a respeito de salões que utilizam formol. Qual o limite permitido? Quais os riscos do formol?
O limite máximo permitido nas fórmulas dos produtos é de 0,2 %. O formol pode acelerar a queda de cabelo, causar coceiras, descamação do couro cabeludo e problemas respiratórios. Sem contar a estrutura do cabelo, que sofre muito mais danos, com os fios ficando sem flexibilidade e se partindo. Quando isso acontece, o aspecto é de muito fios mais curtos em torno da cabeça, ao lado das têmporas, como se fossem fios novos, mas que são, na verdade, o cabelo que foi danificado pelo excesso de química.

7- Como saber se o produto usado tem formol além do permitido em sua composição?
O cheiro forte e peculiar do formol é a melhor maneira de saber. Outra forma é pedir para verificar a embalagem e se estiver escrito "Formaldeído" ou "Poliformol" e variantes quer dizer que existe a presença desse hipermeabilizante. As indústrias químicas tentam de todo jeito alterar o nome dele nas embalagens para ficar mais difícil de entender e localizar o elemento, mas com um pouco de atenção é possível constatar a presença de formol. Fiscalize o rótulo e verifique as quantidades de formol , que deve ser de 0,2% na composição.

8- O formol tem substitutos mais "amigáveis"? Eles prejudicam o cabelo de alguma forma?
 Existem dois substitutos para o formol: o Tioglicolato de Amônio e a Etalonamina que é uma "prima" da amônia só que mais potente. Ambos não prejudicam o cabelo como o formol. O cabelo é regido por um pH, quando ele está ácido as escamas ficam fechadas e quando ele está alcalino as escamas ficam abertas. No procedimento da progressiva, um xampu de limpeza profunda é utilizado para abrir as escamas capilares, retirar os sais minerais e deixar o formol atuar, quebrando as cadeias e fibras internas dos fios e diminuindo o volume do cabelo. No entanto, as duas substâncias substitutas do formol não danificam o cabelo e não retiram moléculas da medula do fio. Elas apenas confundem as cadeias e fibras internas fazendo com que o cabelo perca a identidade e assim, podendo ser moldado com aspecto liso ou cacheado.  

"Liso natural, com balanço e pontinhas modeladas, não é o resultado alcançado com a progressiva"

9- Se realizada da maneira correta, a progressiva hidrata e dá brilho aos fios?
Não, esta não é a finalidade do procedimento. Alguns fabricantes desenvolveram fórmulas que reúnem alisantes mais um creme reconstrutor. O processo em que o creme alisante é misturado com um poderoso hidratante, geralmente a queratina, é o de selagem. Estes produtos dão a impressão que o cabelo está hidratado por causa do brilho que deixam nos fios. Mas brilho não é sinal de cabelo hidratado.

10- Quem tem algum tipo de alongamento pode fazer a progressiva?
Para quem já tem um alongamento, como o megahair, a progressiva não é recomendada, pois não daria para escovar o cabelo e essa é uma das etapas do processo. Para quem ainda não alongou as madeixas, e quer adotar os dois procedimentos, o mais recomendado é fazer primeiro a progressiva e depois o alongamento.

11- Fica bom alisar apenas uma parte do cabelo, como a franja?

Funciona. Mas é importante separar muito bem as mechas em que se deseja fazer a progressiva, a franja, do restante do cabelo. O mais comum é fazer a progressiva somente na raiz e no comprimento do cabelo. Nas pontas, os profissionais não deveriam passar o produto, porque elas ressecam demais com o processo. 

12- Como fazer para o resultado da progressiva ficar mais natural e não tão escorrido?
Não tem como regular a intensidade da progressiva, porque a progressiva não funciona como os alisamentos tradicionais que possuem diferentes forças. Até 2001, quem queria alisar recorria aos alisamentos ou relaxamentos, sendo que os alisamentos são indicados em diferentes níveis, dependendo da estrutura do cabelo. Com o surgimento da progressiva, as mulheres ficaram ávidas atrás do cabelo ultraliso, mas esse liso natural, com balanço e pontinhas modeladas, não é o resultado alcançado com a progressiva.

13- Existem no mercado diversas opções de escova progressiva: de flores, mel, chocolate, leite, marroquina... Qual a principal diferença entre elas?
O cheiro. Na verdade, o percentual de alisante também pode mudar. Entretanto, a principal diferença entre eles é o cheiro mesmo e, em geral, quanto mais forte for a fragrância, é sinal de que o alisante também é. 

14- O teste de mecha deve ser realizado antes de realizar a escova?
Sim. Cada caso é um caso. Não é todo cabelo que se pode fazer a escova progressiva. Por isso, é fundamental um teste de mecha para verificar a resistência do cabelo àquele produto químico.

15- Quais os cuidados para fazer a progressiva durar mais?
Os cuidados básicos envolvem evitar prender ou colocar grampos logo após fazer a progressiva, pois o cabelo ainda está muito sensível e não torcer o cabelo para não ficar marcado. Além disso, é muito importante realizar hidratações no salão para recuperar os fios depois do procedimento químico. Dependendo do fabricante do produto, é preciso ficar um, dois ou três dias sem lavar os fios. Também têm aquelas que exigem que fique três dias antes e três dias depois sem lavar para que o produto tenha uma ação melhor. Tudo isso deve ser orientado pelo profissional que vai realizar o procedimento. 


Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

siga o minha vida e melhore sua qualidade de vida

Saiba mais

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."