Os melhores nutrientes para a fertilidade do homem

Vitaminas A, C e E garantem produção adequada de espermatozoides

Por Especialista - publicado em 01/08/2012


 Muitos homens não têm a causa de infertilidade evidenciada pelos médicos. São homens cujo tratamento é mais difícil e prolongado, principalmente em busca de uma melhora no espermograma e nos outros exames que são utilizados para avaliar a fertilidade. Eless podem ser tratados com alguns medicamentos e vitaminas com a intenção de melhorar a fertilidade, embora muitos deles não tenham comprovaçãocientífica adequada para se afirmar tal benefício.

 Não podemos nos esquecer também de que alimentos ricos em vitaminas específicas para a fertilidade e o acompanhamento médico são fundamentais durante o uso de suplementos, medicações e vitaminas. A promessa sempre é de melhora do número e qualidade dos espermatozoides. Mas muitas vezes esta melhora não é acompanhada do aumento das chances de gravidez e, em alguns casos, o uso de maneira inadequada ou sem a correta indicação pode até piorar a fertilidade masculina.

O foco de ação das vitaminas e medicações atualmente é o combate aos tão famosos radicais livres e seus efeitos deletérios na produção dos espermatozoides. Desta forma, muitas delas são conhecidas como antioxidantes

Vitamina A

 A vitamina A, presente em alimentos como fígado, brócolis, frutas e vegetais de cor amarela, laranja ou vermelha (cenoura, damasco seco), é essencial para utilização de proteínas e de outras vitaminas.

Vitamina C

"O foco de ação das vitaminas e medicações atualmente é o combate aos tão famosos radicais livres e seus efeitos deletérios na produção dos espermatozoides"

 A vitamina C, utilizada sob a forma de comprimidos, também presente na laranja, limão, acerola, brócolis, couve e couve flor, é um potente antioxidante e pode melhorar a movimentação dos espermatozoides. Uma dose diária de 1.000 mg de vitamina C é suficiente.

Vitamina E

 A vitamina E pode proteger os espermatozoides de mutações e auxiliar na produção de hormônios importantes para a fertilidade masculina, além de ser um antioxidante. Suas fontes principais são: óleo de gérmen de trigo, óleo de girassol, nozes, amendoim e brócolis. A dose diária recomendada é de 400 UI e pode ser encontrada em polivitamínicos. A carência de vitamina E pode levar a problemas no sistema reprodutor, como degeneração dos testículos e supressão da fertilidade.

Zinco

 O zinco, presente em cereais integrais, ostras, frutos do mar, germe de trigo, ovos, abóbora, avelãs e outras nozes, feijões, levedo de cerveja e cebolas, está associado a melhora da concentração e contagem de espermatozoides. A dose eficaz é de 15 mg por dia e também está presente em diversos polivitamínicos.

Ômega-3

 O ômega-3, geralmente encontrado em peixes, soja, milho, ovos e leite, melhora a movimentação dos espermatozoides, aumentando as chances de fecundação do óvulo. Também pode ser encontrada em preparados vitamínicos, com 3 g ao dia. Estudos em ratos, nos Estados Unidos, demonstraram reversão do estado de infertilidade com o uso prolongado da substância .

 Vale lembrar que o estilo de vida saudável, com menos estresse, longe do cigarro, com o peso na faixa correta e a prática de atividades físicas são tão importantes quanto a ingestão adequada de vitaminas e suplementos. Além disso, os efeitos destas substâncias ocorre a longo prazo e não imediato. Mesmo casais que estejam em tratamento de reprodução assistida podem se beneficiar do uso de polivitamínicos. Uma boa orientação nutricional, aliada ao acompanhamento de cada caso por um especialista em reprodução humana, pode ajudar na realização do sonho de ter filhos.


Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

 Conrado Alvarenga

Escrito por:

Conrado Alvarenga

Urologia

Ajudou 2316 pessoas


siga o minha vida e melhore sua qualidade de vida

Saiba mais

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."