Azeite: 10 verdades que você deve saber sobre ele

Ele é bem-vindo nas refeições e faz bem à saúde, mas é preciso alguns cuidados no consumo

Por Letícia Gonçalves - publicado em 18/04/2011


Chamado de "ouro líquido" pelos mediterrâneos, o azeite está no ranking de alimentos essenciais ao cardápio de quem quer uma vida mais saudável. Rico em ácidos monoinsaturados, vitamina E e antioxidantes, ele ajuda em doenças cardiovasculares, previne o envelhecimento precoce, serve como lubrificante do intestino e ainda dá uma mãozinha no combate ao câncer. Como na Páscoa esse alimento está mais presente à mesa, regando os pratos à base de peixes, procuramos esclarecer alguns mitos relacionados ao modo de consumir e aos benefícios. Confira:

de 10

O azeite ajuda a emagrecer

O azeite ajuda a emagrecer: verdade, desde que seja utilizado em uma dieta balanceada e em quantidade moderada. O mais correto seria dizer que o azeite ajuda a manter o peso, ou seja, a não engordar. "É totalmente possível incluir o azeite de forma saudável na alimentação e não afetar o peso. O segredo está no equilíbrio", afirma a nutricionista Alice Carvalhais, responsável pelo Programa de Longevidade e Nutrição Geriátrica do Instituto Mineiro de Endocrinologia. Há também um estudo publicado na revista Diabetes Care, da Associação Americana de Diabetes, que apontou que a ingestão diária de uma quantidade mínima do alimento contribui para evitar a formação de gordura na região da barriga.

Azeite tem calorias e pode engordar

Posso comer azeite à vontade: mito! Ele também é calórico. "O azeite é um óleo e possui muitas calorias como qualquer outro óleo", explica a nutricionista Alice Carvalhais. O exagero nunca é bem-vindo, mesmo os alimentos mais saudáveis. Duas colheres de sopa de azeite por dia é a quantidade máxima recomendada, o equivalente a aproximadamente 178 calorias. Mais que isso é correr o risco de ganhar alguns quilos extras.

Azeite composto traz menos benefícios que o azeite comum

Azeite composto também traz os mesmos benefícios que o azeite comum: mito. O composto geralmente é misturado com outros tipos de óleos que são mais ricos em gorduras saturadas, prejudiciais para o organismo se consumidas em excesso. "Em alguns desses produtos compostos, somente 10% é azeite", alerta a nutricionista Alice. Esses óleos também são mais calóricos e não trazem tantos benefícios para o organismo como o azeite traz.

O azeite perde as propriedades ao ser aquecido

Esquentar o azeite tira suas propriedades: verdade. Muitas de suas propriedades oxidam na presença do calor e da luz. De acordo com a nutricionista Fabiana Sigrist, do Hospital Bandeirantes, o azeite aguenta uma temperatura de até 175ºC. "Acima desse ponto, ele forma compostos voláteis e vira uma substância tóxica ao organismo", conta a especialista. Se consumido nessas condições em grandes quantidades, pode provocar irritação da mucosa gastrointestinal e diarreia. O ideal é colocá-lo depois que os alimentos já foram preparados.

O óleo de soja só é melhor para frituras

Azeite é melhor que óleo de soja: verdade. O azeite extra-virgem é o melhor de todos os óleos, tanto de soja quanto de canola ou girassol. O motivo é a grande quantidade de gordura monoinsaturada. "Nosso organismo precisa de gordura, principalmente para absorver algumas vitaminas lipossolúveis - como A e E -, e a gordura monoinsaturada é a mais saudável, atuando na prevenção de problemas cardiovasculares", esclarece a nutricionista Fabiana Sigrist. O azeite só perde no momento de ser utilizado em frituras, por não poder ser aquecido até altas temperaturas. Nesses casos, Fabiana indica o óleo de soja como o melhor, pois consegue ficar até 240ºC sem formar compostos tóxicos.

Azeite de oliva é mais benéfico que azeite de dendê

Azeite de oliva e azeite de dendê tem os mesmos benefícios: mito. Eles são totalmente diferentes, em benefícios, sabor e cor. O azeite de dendê é altamente calórico e possui bem mais gordura saturada ao ser comparado ao de oliva. A única vantagem do tradicional ingrediente baiano é a quantidade maior de vitamina A, importante para a visão. Nos demais benefícios, o azeite de oliva é o campeão.

Azeite é melhor quando mais novo

Azeite é como vinho: quanto mais velho, melhor: mito. O azeite é melhor quando mais novo. "Muitas de suas propriedades são termo e fotossensíveis, ou seja, oxidam-se na presença de calor e luz", adverte a nutricionista Alice Carvalhais. Por isso, fique atento à data de validade e evite deixar o azeite perto do fogão na hora de cozinhar, para evitar que ele se aqueça e perca parte de suas propriedades.

Azeite virgem tem mais antioxidantes

Azeite não refinado ou virgem é melhor: verdade, mas a vantagem não está no sabor ou na cor. O azeite extra-virgem possui maior quantidade de polifenóis, que são antioxidantes que contribuem para regular o nível de colesterol no sangue e evitar problemas no coração. Mas tanto o refinado quanto o virgem apresentam as gorduras monoinsaturadas, que também são benéficas para o órgão cardíaco.

Azeite ajuda a melhorar os níveis de gordura no sangue

Ajuda a combater o câncer e regular o colesterol: verdade. Os grandes responsáveis por prevenir o câncer são os antioxidantes presentes no azeite, principalmente os ácidos graxos (gordura monoinsaturada). Segundo a nutricionista Fabiana Sigrist, a atuação é na parte anti-inflamatória: "Os ácidos graxos contribuem para que a pessoa tenha menos processos inflamatórios, que podem estar relacionados a alguns tipos de câncer". No caso do colesterol, a gordura monoinsaturada também melhora os níveis de gordura no sangue, ao aumentar o colesterol HDL e diminuir o LDL.

Azeite previne degeneração do cérebro

Consumir azeite estimula o cérebro: verdade. Uma pesquisa feita pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, indicou que alimentos ricos em antioxidantes - como o azeite - são capazes de estimular e auxiliar o cérebro contra sua degeneração. Após cinco anos de análise, de mais de 160 pesquisas, os especialistas constataram que existe uma influência positiva entre os componentes moleculares dos nutrientes e os mecanismos que mantêm a função mental do cérebro.

ver texto completo


Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

siga o minha vida e melhore sua qualidade de vida

Saiba mais

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."